Tocantins celebra Dia Mundial de Combate à Doença de Chagas com orientação para a população

por Mayrla Bandeira publicado 14/04/2020 17h45, última modificação 14/04/2020 17h45
A doença de Chagas pode ser transmitida pelo consumo de alimentos contaminados com fezes do barbeiro (vetor da doença, o qual tem 66 espécies diferentes no Brasil) ou pelo sangue de portador da doença, seja na gestação ou no parto (transmissão vertical), por transfusão de hemoderivados ou transplante de órgãos ou por contato da pele ferida ou de mucosas com material contaminado.

Sem espaço para ações que envolvam aglomerações, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) reforça, à população, os cuidados com uma das doenças negligenciadas e o Dia Mundial de Combate celebrado todo 14 de abril: a Doença de Chagas. A infecção causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, teve oito casos registrados em 2019 e zero em 2020.

“Felizmente, temos um controle da doença e as equipes de saúde dos municípios têm feito um excelente trabalho de monitoramento das comunidades onde já surgiram casos em anos anteriores, para reforçar os hábitos que podem evitar novas contaminações”, destaca a gerente de Vigilância e Controle de Doenças Tropicais Negligenciadas, da SES, Carina Graser Azevedo.

Entre os principais sintomas da doença estão o inchaço da face ou de membros, manchas na pele, aumento anormal do fígado, taquicardia, sinais de insuficiência cardíaca e manifestações hemorrágicas.

O tratamento deve ser indic

ado por um médico, após a confirmação da doença, e a medicação (benznidazol) é fornecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mediante solicitação e identificação do paciente. Para os casos registrados em 2019, a SES dispensou, aos municípios, 3.054 comprimidos em 2019; e 219, em 2020.